Avril Lavigne – Goodbye Lullaby – Faixa por Faixa

avril-goodbye-lullaby01 – Black Star – Mais parece uma canção de ninar. Coincidência ou não, sua duração é de 01:34 e músicas deste tipo não são grandes.  A faixa de abertura mostra que o cd estará bastante diferente do anterior, o descompromissado The Best Damn Thing. – Nota 10.

02 – What the Hell – Uma Avril mais animada surge numa música muito, mas muito melhor do que Girlfriend. A batida chiclete gruda e remete um pouco a alguns hits da década de 80. Porém ela destoa do restante do cd. Nota 09.

Clip:

03 – Push – Mais uma daquelas músicas pop/rock embaladas por um violão, no melhor estilo trilha sonora de séries como Dawson’s Creek. É uma música bonita e simples, tipicamente de uma cantora pop/rock com violão. Porém Avril soa um pouco melancólica. – Nota 10.

04 – Wish You Were Here – Não se preocupe, ela não regravou a canção do Pink Floyd. Ela segue a cartilha da faixa anterior e não faz feio. Nota 10.

05 – Smile – Avril tenta deixar de lado a tristeza e apresenta uma faixa mais animada, naquele estilo chiclete grudento de Avril, onde a música cresce bastante no refrão. Temos a impressão de que a partir daqui o cd tomará um rumo mais animado.Ledo engano. Porém seu clip é muito ruim:

<iframe width=”560″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/KagvExF-ijc” frameborder=”0″ allowfullscreen></iframe>

Nota 5.

06 – Stop Standing There – Para mim a música mais bonita do álbum. E apesar do ritmo meio animado, é extremamente melancólica.  Nota 10.

07 – I Love You – Mais uma música típica de Avril. Porém com uma pegada mais melancólica, como na anterior. Lembra alguns momentos de seu primeiro álbum, o Let Go. – Nota 10.

08 – Everybody Hurts – Não é regravação do clássico do R.E.M. Já não é surpresa de que o cd não terá mais surpresas. Baladas pop/rock imersas em melancolia e letras altamente confessionais seguem até o final do álbum. Mas funcionam. – Nota 10.

09 – Not Enough – Este não é um cd de fórmulas variadas. Com exceção de What a Hell e Smile, as demais faixas seguem uma mesma direção. E não fazem feio nem se tornam desinteressantes. – Nota 9.

10 – 4 real – A voz de Avril está muito agradável neste cd. Mais uma música melancólica. Acho que ela estava bastante abalada com o término do relacionamento. – Nota 9,5.

11 – Darlin – Mais uma música que remete à sonoridade de seu primeiro cd. E funciona. – Nota 9.

12 – Alice Ext.Version – É o tema do Alice no País das Maravilhas, que nada tem a ver com este cd mas que foi inserida, nesta edição, na parte final do álbum ao invés de uma faixa bônus. Apesar da voz dela soar um pouco cansativa nesta música (Talvez para acompanhar o ritmo do filme, extremamente cansativo, rss).  – Nota 8.

13 – Remember When – Nesta faixa ela não tenta esconder a melancolia e a tristeza. A Avril divertida e cheia de energia dos cds anteriores não existe neste álbum. – Nota 10.

13 – Goodbye – Aqui ela não deixa mais dúvidas de que tudo chegou ao fim. Que não há mais como camuflar a tristeza e muito menos reconstruir o que acabou. Realmente é uma canção de despedida. – Nota 10.

O clip tem uma estética bastante diferente do que ela vem apresentando visualmente. Vale a pena assisti-lo:

<iframe width=”560″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/ziaBaMJjiew” frameborder=”0″ allowfullscreen></iframe>

15 – What a Hell Acoustic – Legal.

16 – Push Acoustic – Legal como a original.

17 – Wish You Were Here Acoustic – Legal como a original.

18 -Knocking On Heaven’s Door – Apesar das versões serem incomparáveis, Avril não faz feio nessa regravação do clássico do Guns N’ Roses. Nota 10.

19 – Bad Reputation – Não entendi por que essa regravação da música de Joan Jett foi inserida no álbum. Ao meu ver, só por que tinha espaço. Ela parece evocar My Generation do The Who, porém o resultado é desastroso. Totalmente dispensável. – Nota 2.

 

Este não é um cd alegre.

O disco foi lançado em 2011 e marca o fim de seu relacionamento com Deryck Whibley. Por isso aquela Avril enérgica, com atitude, até tenta aparecer em duas faixas, mas não se sustenta. Porém as músicas do Goodbye… tem melodias simples e bonitas, que grudam na cabeça e apresentam um lado mais melancólico da cantora. Se você espera por algo como o Let Go e o Under My Skin ou o descompromissado The Best Damn Thing, pode se decepcionar. Porém, este cd é um belo passo rumo à maturidade após o anterior. Se você prestar atenção na ordem das músicas, verá que as letras seguem um caminho, como que contando uma história com início, meio e fim (Ignore a faixa Alice).

Um ótimo e triste cd.

Ao som de Avril Lavigne – Stop Standing There

 

(Visited 128 times, 1 visits today)
Please follow and like us:

Você pode gostar...

Comentários no Facebook