Cara Gente Branca (Dear White People)

Engraçado como muitos acham o tema racismo chato, quase algo que não deve ser discutido. “Curiosamente”, a maioria dessas pessoas não é negra. Afinal, é tão mais fácil conviver com negros quando estes não levantam

questões, apresentam passagens da história que fazem entender alguns dos por quês onde chegamos, além de discutir mudanças necessárias no comportamento… no melhor estilo “Não sou racista, tenho amigos negros! Veja!”

LOS ANGELES, CA – APRIL 27: (L-R top) Actors Wyatt Nash, Nia Jervier, writer/producer Justin Simien, producer Yvette Lee Bowser, actor Antoinette Robertson, Netflix chief content officer Ted Sarandos, actors Brandon P. Bell, Ashley Blaine Featherson, and John Patrick Amedori. (L-R bottom) Actors DeRon Horton, Marque Richardson, Logan Browning, and Brandon Black attend Netflix Dear White People S1, premiere LA screening 2017 on April 27, 2017 in Los Angeles, California. (Photo by Jonathan Leibson/Getty Images for Netflix) *** Local Caption *** Wyatt Nash;Nia Jervier;Yvette Lee Bowser;Justin Simien;Ted Sarandos;Marque Richardson;DeRon Horton;Antoinette Robertson;Logan Browning;Brandon P. Bell;Ashley Blaine Featherson;John Patrick Amedori;Brandon Black

Impossível não se emocionar com as questões desses jovens que querem dar um novo início à representatividade de suas cores; a partir daí somos apresentados a diferentes pontos de vista, de acordo com a vida de cada um, suas crenças e como podem crescer para cada vez mais se encontrarem distantes dessa coisa nojenta que vem acompanhada por uma avalanche de ações e palavras que parecem ser inofensivos elogios. Mas não são.

Mas apesar das muitas discordâncias entre eles, estão todos conectados pelo racismo e o desejo quanto a ser tratados de forma digna. Saber que não levarão um tiro unicamente por serem quem são.

E não venha dizer que Cara Gente Branca (Dear White People) é uma bobagem! Violência, medo, repressão e armas sempre estão apontadas para nós. A eliminação do perigo está cegamente (e estupidamente) ligada ao silenciamento da nossa cor.

Racismo invertido? Isso não existe. Esse argumento levantado por muitos é uma vergonha.

Poderia destrinchar a série e apresentar as dezenas de pensamentos e questionamentos levantados, mas nada melhor do que você assisti-la.

Agora é a sua chance de mergulhar num universo que não é o seu. Essa série é uma aula de realidade. Especialmente para você que não faz parte dela.

Está na Netflix.

Ao som de Chloe X Halle – Bougie Party

(Visited 165 times, 1 visits today)
Please follow and like us:

Você pode gostar...

Comentários no Facebook